Uma semana após levar multa, Refinaria Abreu e Lima é autuada por alteração na qualidade do ar

Oito dias depois de levar uma multa de R$ 50 mil por poluição atmosférica, a Refinaria Abreu e Lima (RNEST), em Ipojuca, foi autuada novamente, nesta quinta (18) pela Agência Pernambucana de Meio ambiente (CPRH). Segundo órgão, desta vez, ficou constatada uma alteração na qualidade do ar. A CPRH vem recebendo denúncias de problemas na qualidade do ar feitas por moradores de prédios no entorno da refinaria.

De acordo com os resultados do relatório de qualidade do ar, a CPRH identificou que  a refinaria emitiu concentrações altas de sulfeto de hidrogênio.

“Trata-se de um gás incolor, de odor forte, que afeta o bem-estar das pessoas. A refinaria é reincidente na causa do problema e, por isto, foi lavrado novo auto “, explicou o Diretor de Controle de Fontes Poluidoras da CPRH, Eduardo Elvino
A autuação foi feita após a agência constatar alterações em parâmetros internacionais de emissão de gás sulfídrico. “Foram registrados picos fora do limite permitido, ao longo de dez dias”, afirmou.

Ele explicou que o monitoramento segue padrões americanos, já que o Brasil não dispõe de normas para fazer esse tipo de aferição.

“O comitê americano diz que o limite de emissão desse tipo de gás é de 11,25 microgramas por metro cúbico de material expelido. Chegamos a registrar 34 microgramas por metro cúbicos de material expelido”, declarou Elvino.

De acordo com ele, a autuação foi definida em virtude de a refinaria de ultrapassado o limite de emissão da substância em dias seguidos.

A partir desse índice, as pessoas começam a sentir o odor que sai da refinaria, de acordo com o gestor da agência. “Com a exposição prolongada, é possível que apareçam problemas de saúde”, comentou.

Além da autuação, a CPRH prepara uma nova multa para punir a refinaria mais numa vez. “Como houve reincidência, estamos avaliando o valor”, declarou.

Além disso, a agência estuda outras medidas, de imediato, para impor aos responsáveis pela empresa. “Podemos inclusive exigir que eles adotem a produção de petróleo com menos enxofre”, informou.

A partir de agora, as emissões serão medidas diariamente. “A refinaria terá 20 dias para fazer a defesa administrativa”, disse Eduardo Elvino.

Ele ressaltou que os outros parâmetros de emissão de gases estão de acordo com as normas internacionais.

 

Com informações do G1

text

Adicione seu comentario

Seu endereo de email no ser publicado.