Bolsa de valores cai quase 4% por causa dos discursos de Bolsonaro

Por Fernando Castilho

O mercado deu seu recado. Ao cravar uma queda próxima de 4%, no pregão desta quarta-feira, os agentes financeiros brasileiros firmaram um posicionamento bem mais afirmativo que o Judiciário e o Legislativo diante dos ataques do presidente Jair Bolsonaro. Com quedas bem intensas de empresas como Vale, Petrobras, Eletrobras além dos bancos Itaú, Bradesco e o Banco do Brasil.

O mercado avaliou que a escalada do presidente nos ataques, cada vez mais duros, ao STF – inclusive chegando a nominar ministros – não teve uma reação mais firme dos demais poderes cujos presidentes falaram a partir de vídeos e notas oficiais para reagirem aos ataques do presidente da República diante de apoiadores.

O dado mais importante do comportamento do mercado na Bolsa foi mesmo a forte quedas das estatais acima de 4,5% além da Vale. Isso mostra, claramente, que os investidores perderam ainda mais a confiança no governo indicando que devemos ter mesmo uma maior queda de investimentos nos próximos meses

Como é do ramo, o mercado faz contas simples mirando janeiro de 2022 e não encontrou respostas para questões básicas como a PEC dos precatórios, a aplicação do OGU de orçamentos claramente fictícios e se assusta com a previsão de gastos embutidos em emendas parlamentares que somadas acrescentam uma maior pressão sobre as finais do orçamento.

O mercado financeiro atua olhando para 180, 360 dias e períodos mais longos do Governo.

Segundo o Jornal o Estado de S. Paulo, Às 16h35, o Ibovespa, principal índice da B3, a Bolsa de São Paulo, atingiu nova mínima do dia, em baixa de 3,86%, aos 113.323,74 pontos. No câmbio, o dólar à vista era negociado a R$ 5,3251, com alta de 2,87%.

Sempre é importante lembrar um fato ocorrido no mês de agosto quando Michel Temer assumiu o governo e os juros de longo prazo caíram 50%. Isso se deu com os títulos brasileiros porque o novo governo pilotado por Henrique Meirelles ganhara perspectivas.

No caso do Governo Bolsonaro dar-se o inverso. A lista de as incertezas fiscais vai desde as discussões sobre o novo programa social que não se sabe de onde virão os recursos a questões como a legislação do Imposto de Renda que vai prejudicar o mercado de ações.

O projeto do IRPJ foi aprovado sem levar em contas a sua repercussão na economia, quase como um capricho do presidente da Câmara, Artur Lira, que claramente revela incapacidade de entender a dimensão de questões econômicas. 

Adicione seu comentario

Seu endereo de email no ser publicado.