Quadrilha suspeita de extorquir donos de pousadas em Porto de Galinhas é desarticulada

Uma quadrilha suspeita de extorquir empresários e donos de pousada em Porto de Galinhas, em Ipojuca, no Grande Recife, foi alvo de uma operação da Polícia Civil. O prejuízo às vítimas foi de até R$ 130 mil, segundo a corporação. Foram cumpridos oito mandados, sendo de prisões e de buscas e apreensões, e os resultados da ação foram divulgados nesta sexta-feira (10).

De acordo com o delegado Paulo Berenguer, à frente da Operação Contrafogo, as extorsões eram praticadas por presidiários, lotados em unidades de Igarassu, no Grande Recife, e Palmares, na Zona da Mata, que foram alvos de novos mandados de prisão. As vítimas foram dois donos de pousadas em Porto de Galinhas, em Ipojuca, e um empresário na Zona Sul do Recife.

“Um dos suspeitos havia nascido na região de Nossa Senhora do Ó, em Ipojuca, e já tinha conhecimento prévio dos empresários que atuam na região. A partir do conhecimento das condições econômicas dessas pessoas, eles passavam a extorquir sob pena de destruição de bens, bem como ameaça aos familiares”, afirmou.

Em uma das ocorrências registradas pela Polícia Civil, três veículos estacionados em frente a uma pousada em Ipojuca foram incendiados no dia 24 de novembro de 2017. Pela investigação, as equipes constataram que os veículos foram queimados após os criminosos ligarem para a pousada, afirmando que o dono devia valores da venda de entorpecentes, e serem ignorados.

Além de dois presidiários investigados, parentes dos presos também estavam envolvidos, de acordo com a Polícia Civil. A esposa e o tio de um deles repassavam informações sobre as vítimas e também receberam ordem para incendiar os veículos.

Além dos dois mandados de prisão, também foram cumpridos dois mandados de medidas cautelares diversas de prisão, o que proíbe o contato dos alvos com as vítimas e a saída da comarca. Os policiais também cumpriram quatro mandados de busca e apreensão.

As investigações devem seguir para identificar se há outras vítimas prejudicadas.

 

Via G1 PE

text

Adicione seu comentario

Seu endereo de email no ser publicado.