Câmara Municipal do Cabo elege Mesa Diretora após vereadores serem afastados

Desde de que a operação Ghost da Polícia Civil atingiu quatro vereadores afastados por suspeita de contratação de funcionários fantasmas, incluindo o presidente e um secretário da Câmara de Vereadores, a casa vinha sendo comandada por Neto da Farmácia (PDT), que nesta quinta-feira (8) foi eleito presidente suplementar com 15 votos. Ele permanecerá no cargo até que o Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE) defina a situação dos investigados.

Além do presidente, a mesa suplementar formada pelos vice-presidentes Flávio do Fórum (PSB) e Irmã Dudinha (PSC) e os secretários Everaldo Cabral Jr. (PRP) e Jefferson Marcos (PCdoB) pode deliberar plenamente sobre as demandas da população.

O primeiro desafio da casa Vicente Gomes é cumprir uma determinação do ministério público de Pernambuco é convocar dois vereadores suplentes para as vagas de investigados na Operação Ghost, explica Neto da Farmácia, presidente suplementar da câmara de vereadores do cabo.

Na sessão deste quinta-feira (8), o vereador de oposição José de Arimateia voltou a pedir transferência na Câmara de Vereadores e uma investigação por meio de comissão especial contra o prefeito Lula Cabral, preso no Cotel por suspeita de participar de um esquema de fraude no Instituto de Previdência do Cabo que desviou cerca de R$ 92 milhões.

Em resposta às manifestações da população registrado em plenário esta semana, Neto da Farmácia pediu mais um prazo para discutir o assunto na mesa diretora.

Sobre Lula Cabral, o TRF-5 negou por votação da maioria dos desembargadores o pedido de habeas corpus para o prefeito do Cabo. Para o relator do agravo, o juiz federal Edilson Nobre, há indícios suficientes a respeito da autoria nos delitos da gestão fraudulenta no fundo previdenciário dos servidores do Cabo, corrupção passiva e associação criminosa.

 

Fonte: Rádio Jornal 

text

Adicione seu comentario

Seu endereo de email no ser publicado.